FALTAS FREQUENTES, FALTA DE PRODUTIVIDADE E AFASTAMENTO DO TRABALHO RESULTAM EM ALTOS ÍNDICES DE ABSENTEÍSMO, PRESENTEÍSMO E SABOTAGEM NO TRABALHO.


Atualmente as faltas frequentes, falta de produtividade e longos períodos de afastamento do trabalho estão fazendo com que cada vez mais os gestores de Recursos Humanos das empresas se atentem ao absenteísmo, presenteísmo e a sabotagem no trabalho.


Absenteísmo é o nome que se dá a ausência física do trabalhador no ambiente de trabalho (seja por atrasos ou faltas). E isso pode acontecer por diversas causas como por exemplo: condição de saúde, doenças, problemas pessoais, dificuldade de transporte, doenças na família, desmotivação no ambiente de trabalho, etc.


Muitas vezes as empresas contratam uma empresa de Medicina do Trabalho relatando a quantidade de atestados que os funcionários entregam justificando as suas faltas. É preciso analisar primeiramente o motivo dessas faltas constantes. De acordo com o Dr. Marcelo Penteado, o alto índice do absenteísmo na empresa (ou seja, as faltas frequentes), é porque fatores negativos na organização estão motivando as faltas dos colaboradores.


Muitas vezes é um ambiente de trabalho não adequado e que não satisfaz as necessidades destes funcionários. O colaborador se sente desanimado e qualquer motivo faz com que ele pegue um atestado.


Já os afastamentos de trabalho decorrem de fatores como: acidentes de trabalho, depressão, LER (lesão por esforço repetitivo), estresse, entre outros.


Dessa forma, o médico do trabalho precisa identificar os fatores sociais, psicossociais e cognitivos desta empresa através da análise da Macroergonomia (análise ergonômica num enfoque macro considerando fatores internos e externos).


Porém, a ausência física não é o único tipo de ausência de um colaborador no ambiente de trabalho. O presenteísmo e a sabotagem do trabalho também são fatores a serem considerados num ambiente de trabalho desfavorável.


O presenteísmo consiste na ausência mental do trabalhador devido a mal estar físico ou emocional, problemas pessoais ou com o próprio trabalho, que fazem com que a produtividade e rendimento caiam exponencialmente.


Em outras palavras, o funcionário está apenas de corpo presente, porém não consegue ter um rendimento esperado. E isso pode estar relacionado a outros fatores como: dívidas financeiras, problemas familiares ou extra-laborais que dificultam a concentração desse colaborador no ambiente de trabalho. A falta de motivação, insatisfação e um mau ambiente de trabalho também fazem com que ele não responda às pressões do ambiente de trabalho.


Se existem problemas exponenciais na organização, é possível que o colaborador comece a desenvolver problemas físicos e psíquicos.


Já a sabotagem do trabalho, pode acontecer porque o ambiente de trabalho pode estar tão ruim que o funcionário, às vezes, propositalmente, pode atuar prejudicando a empresa.


Ele começa a tomar condutas que levam prejuízos diretos à empresa. Como quebra de uma máquina entre outros danos que desfavorecem a organização.


Os Médicos do Trabalhos precisam analisar todos os fatores organizacionais, psicossociais e cognitivas para identificar se de fato existe a satisfação do colaborador no ambiente de trabalho na medida que possa impedir a existência de alto absenteísmo, presenteísmo e sabotagem no ambiente de trabalho.


Dr. Raimundo Leal é Especialista em Medicina do Trabalho RQE1067 e Perito Judicial RQE3465, apto à fazer a análise análise macroergonômica na sua empresa.

Estamos à sua disposição. Entre em contato conosco: (86) 99834-0724 ou através do e-mail: rmartinsleal@yahoo.com.br








14 visualizações0 comentário


De acordo com informações do GT (Confederativo do eSocial no dia 20 de maio de 2021), a data para o envio das informações referentes à Saúde e Segurança do Trabalho para as empresas integrantes do Grupo 1 (empresas com faturamento anual acima de R$78 milhões) prevista para iniciar dia 8 de junho deste ano será adiada.


A prorrogação se deve ao fato que a Dataprev não conseguiu concluir o módulo que fará a integração dos dados que virão na nova versão simplificada (S-1.0) com o CNIS (Cadastro Nacional de Informações Sociais) dentro do prazo esperado.


“A previsão é que a Dataprev só esteja apta a receber os dados enviados ao eSocial por meio desta nova versão a partir do final do mês de junho, o que já comprometeria o cronograma de início da prestação das informações de SST por parte das empresas do grupo 1, que está previsto para o começo do mês de junho, uma vez que os eventos de SST só poderão ser enviados nesta nova versão do sistema”, explica o coordenador do GT-Confederativo, auditor fiscal do Trabalho, José Alberto Maia.

Por conta desse imprevisto, o GT-Confederativo propôs um adiamento do início da obrigatoriedade do envio dos eventos de SST pelas empresas do Grupo 1 para a partir do mês de outubro. Já o Grupo 2, cuja data prevista para iniciar esses envios era setembro de 2021, ficaria para janeiro de 2022, junto com o Grupo 3. Em breve os gestores do eSocial poderão publicar mais alguma alteração.


É importante salientar que os órgãos gestores do eSocial são a SEPRT (Secretaria Especial de Previdência e Trabalho) e a SERFB (Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil). Já o GT-Confederativo do eSocial, criado em 2014, é um grupo de trabalho, de caráter consultivo, composto por representantes do governo ligados ao projeto e por representantes das confederações empresariais que discutem questões relevantes do projeto e elaboram propostas a serem encaminhadas aos órgãos governamentais.

Dr. Raimundo Leal é Especialista em Medicina do Trabalho RQE1067 e Perito Judicial RQE3465.


Atua como Consultor em Saúde e Segurança e Segurança do Trabalho, sendo um profundo estudioso do eSocial desde a sua versão anterior. Já realizou o Curso de atualização em SST do novo eSocial este ano.


Apto, portanto para a implantação das ações de Saúde e Segurança da sua empresa no novo eSocial.


Estamos à sua disposição. Entre em contato conosco: (86) 99834-0724 ou através do e-mail: rmartinsleal@yahoo.com.br





11 visualizações0 comentário


O primeiro passo para promover uma Cultura de Segurança do Trabalho na cadeia produtiva do agronegócio é atender os requisitos críticos ou básicos da Saúde e Segurança do Trabalhador no Agronegócio. É o que o Dr. Raimundo Leal faz como Consultor em Saúde e Segurança do Trabalho na Fazenda Chapada Grande, em Regeneração, no estado do Piauí.


Dados do Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho, elaborado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT), apontam que, no mundo, um trabalhador morre por acidente laboral a cada 15 segundos. De 2012 a 2020, 21.467 destes trabalhadores eram brasileiros, representando assim uma taxa de 6 óbitos a cada 100 mil empregos formais nesse período.


Um dos pontos cruciais para modificar este cenário é a implementação do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), do Controle de Entrega de EPI’s e a instalação de sistemas de segurança em zonas de perigo de máquinas e/ou equipamentos, que resolveriam a maioria dos acidentes e demais irregularidades identificadas no agronegócio.



A Fazenda Chapada Grande é um exemplo de indústria do Agronegócio em Regeneração, no estado do Piauí que investe na saúde ocupacional. Adquirida por empresários paulistas em 2004, com o propósito de produzir Soja, Milho e outros alimentos, para gerar empregos e distribuição de renda numa das regiões mais pobres do Brasil.


A empresa desbravou a região e conseguiu fomentar outros investimentos que passaram a acontecer nos municípios vizinhos, tornando-se um exemplo de prosperidade na indústria. Com área de 12 mil hectares de Soja e Milho do projeto agrícola original, buscando sempre acelerar e avançar nas expansões de plantios e empregos.


Vale salientar que, graças ao agronegócio, o território no sul piauiense se transformou em uma próspera fronteira agrícola com inúmeros empresários especializados neste segmento econômico e atraiu milhares de trabalhadores de várias regiões e viu sua população crescer em nada menos do que 50,3% em vinte anos, saltando de 7.779 para 11.671 habitantes, entre 2000 e 2020, respectivamente.

Segundo dados da Secretaria de Comércio das Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, as exportações do agronegócio em 2020 tiveram ótimo desempenho, o segundo maior de toda a série histórica, atrás somente de 2018. O agronegócio significa cerca de 25% do total do PIB brasileiro e tem potencial para chegar a receitas de U$$ 1 trilhão de dólares nos próximos dez anos.


Contudo, fica evidente que adotar uma abordagem preventiva da saúde nas corporações possui inúmeras vantagens como, por exemplo, a redução de afastamentos e faltas, o aumento da produtividade e a melhoria do ambiente de trabalho. Afinal de contas, pessoas saudáveis e felizes conseguem desempenhar muito melhor suas funções no trabalho.


Dr. Raimundo Leal é Especialista em Medicina do Trabalho RQE1067, Perito Judicial RQE3465, e é o médico apto para ser Consultor em Saúde e Segurança do Trabalho na sua empresa!





25 visualizações0 comentário